Maria Granel
 

Tudo começa num nome, numa história antiga que se esquiva por entre gerações até desaparecer quase completamente. Mas, em 2015, regressa, renovada, com um toque de modernidade adaptado ao nosso século. Falamos, pois, da Maria Granel e do seu jeito de ser biológico, sustentável e, claro, a granel. Tragam os vossos frascos vazios e conheçam esta casa comercial que tem tudo e mais alguma coisa. 

_

Everything starts with a name, an age-old story that has wriggled out of our lives from generation to generation until it completely almost disappeared. But in 2015 it returns, renewed, with a touch of modernity adapted to our century. We’re talking about Maria Granel, of course, and its amazing way of being organic, sustainable and, yes, selling in bulk.

 

mgranel_11.jpg
mgranel_13.jpg
 

A primeira loja física abriu em Alvalade, em 2015, «um óptimo exemplo de vivência de bairro em Lisboa», conta Eunice Maia, proprietária da Maria Granel, em estreita parceria com o marido, Eduardo. «Apesar de não vivermos em Alvalade, era o nosso circuito de compras». Alvalade tem esse encanto, seduz pelas ruas, pelas lojas antigas e características de um outro tempo, pelas pessoas. Em 2018, abre a segunda loja, em Campo de Ourique, também ele um bairro cheio de cor, de magia, de uma Lisboa que parece ter ficado inabalada pela transformação desmedida que se sentiu noutras zonas da cidade. 

Antes de abrir a primeira loja, contudo, já o conceito pairava desde 2013: «A ideia embrionária foi do meu marido, mas acabou por se transformar num sonho a dois. Ele é Economista e eu sou professora de Literatura: se me dissessem que um dia iria ter uma mercearia, não acreditaria. Ele teve a ideia porque temos uns amigos que se dedicam à produção de azeite, em Trás-os-Montes, e pensou-se em vender o azeito a granel. A partir daí, começámos a pensar porque é que não existia essa possibilidade para outros produtos — quer dizer, na verdade, sempre existiu, mas estava quase extinta. Quando o Eduardo esteve a trabalhar nos EUA, aproveitámos para ir ao terreno e explorar o que é que na altura estava a apostar novamente no granel, que era a Whole Foods e a Ingredient, uma loja que estava em fase inicial no Texas. Na Europa, há muito que havia começado a espontar aqui e ali, sendo que a primeira tinha sido criada em Inglaterra, em 2006, salvo erro. Aí percebemos que estava na altura de trazer o conceito para Portugal».

The first store opened in Alvalade, in 2015, «the perfect example of living in a traditional neighbourhood in Lisbon», Eunice Maia tells us, owner of Maria Granel, who partnered up with her husband, Eduardo. «Although we don’t live in Alvalade, it is where we do our shopping». Alvalade has that charm, it seduces us with the streets, the old, singular shops from other times, the people. In 2018, a second store opens in Campo de Ourique, also a neighbourhood full of colour, magic, made of a kind of Lisbon that seems to have been left unharmed by the disproportionate transformation that has happened in other parts of the city.

Before they opened their first store, however, the concept was already in their minds since 2013: «The embryonic idea came from my husband but ended up becoming our dream. He’s an economist and I’m a Literature teacher: if anyone told me that someday I’d own a grocery store, I wouldn’t have believed them. He had the idea because we have some friends producing olive oil in Trás-os-Montes, and we thought about selling it in bulk. From that, we started wondering why that wasn’t a possibility for other products — I mean, in fact, it always was, but it was almost extinct. When Eduardo was working in the US, we began exploring what was being made at the time, which was Whole Foods and Ingredient, a new store in Texas. In Europe, that concept had already been born here and there, and the first store opened in the UK, in 2006, if I’m not mistaken. Then we realised we had to bring it to Portugal as well».

 
mgranel_6.jpg
 
mgranel_12.jpg

 

 

 

Acho que aquilo que teve de verdadeiramente revolucionário e pioneiro não foi propriamente o facto de ser a granel, embora tivéssemos recuperado e recriado esse conceito, mas o facto de termos conciliado o granel e o biológico.

_

I think that what was truly revolutionary and ground-breaking wasn’t exactly the fact that we sell in bulk, though we recovered and recreated that concept, but the fact that we combined bulk and organic.

 

O convite para entrar, tanto numa como noutra, é claro e familiar. No interior, a sensação de termos entrado noutra época assola-nos por momentos, até que percebemos que a decoração ajuda a regressar aos tempos de hoje. O ambiente é tranquilo e incita à contemplação, à investigação — sim, os dispensadores e caixas de sementes, chás e infusões, frutos secos, cereais e outros produtos que tais exigem, à partida, uma observação mais cuidada, bem como uma leitura apropriada dos rótulos. Mas vai para além disso. «Acho que aquilo que teve de verdadeiramente revolucionário e pioneiro não foi propriamente o facto de ser a granel, embora tivéssemos recuperado e recriado esse conceito, mas o facto de termos conciliado o granel e o biológico, porque não havia biológico 100% a granel por cá. Isso é também dar às pessoas a possibilidade de usufruírem de alimentos de grande qualidade e certificados na quantidade que precisam. Estamos a lutar em dois sentidos: a reduzir as embalagens, porque, com o granel, a pessoa traz os seus frascos e abastece, e também reduzir o desperdício alimentar», refere Eunice. 

Não podemos falar de Maria Granel sem mencionarmos a sua missão mais preponderante em vários meios: o zero waste. «A missão da loja está, desde o primeiro dia, associada a estes dois pilares: a redução de desperdício alimentar e a redução do desperdício enquanto resíduo gerado. Em concreto, o plástico e os descartável. O conceito tem vindo a evoluir nestes quatro anos que já levamos de existência. Conseguimos perceber, pelo caminho, se estávamos a dar às pessoas a possibilidade em termos alimentares de reduzirem o seu desperdício, e também era importante dar ferramentas para fazê-lo em todas as áreas da sua vida», conta. 

Os “queridos fregueses”, como carinhosamente chamam aos seus clientes, têm também a hipótese de aprender mais sobre tudo isto em workshops, eventos específicos e outras iniciativas que vão acontecendo na Maria Granel — e fora dela, também: «deslocamo-nos também a muitos lugares para passar o testemunho e estamos em vias de ajudar uma escola a tornar-se na primeira escola zero waste do país. Vamos também a empresas mostrar às pessoas como podem levar snacks para o trabalho sem precisarem de embalagens, por exemplo. É a nossa missão».

The invitation to come in is clear and familiar in both stores. Inside, the feeling of travelling to a different time hits us for a moment, until we recognise the décor helps us come back to contemporary times. The atmosphere is calm and motivates contemplation, research — that’s right, the dispensers and boxes packed with seeds, teas and infusions, nuts, cereal and other similar products demand a more thorough inspection, as well as an appropriate reading of the labels. But it goes beyond that: «I think that what was truly revolutionary and ground-breaking wasn’t exactly the fact that we sell in bulk, though we recovered and recreated that concept, but the fact that we combined bulk and organic, and that hadn’t happened yet. That also means giving people the possibility to enjoy top quality, certified ingredients in the amount they need. We’re battling on two fronts: reducing packaging, because here people bring their own jars and fill them up, and also reducing food waste», says Eunice.

We can’t really talk about Maria Granel without mentioning their most preponderant missions: zero waste. «The store’s mission is connected to these two pillars since day one: food waste reduction and waste reduction as a whole, specifically plastic and disposable waste. The concept has evolved in the last four years since we first opened. We were able to realise along the way if we were giving people the possibility of reducing their waste in terms of food, so we wanted to give them the tools so they could do it in all aspects of their lives», she says.

Her “dear customers”, as they call them, have also the chance of learning more about all of this in workshops, specific events and other activities that take place at Maria Granel — and off-site, too: «We go to lots of places to tell people about this and we’re about to help a school become the first zero waste school in the country. We also go to companies and show them how they can bring snacks to work without using containers, for example. It’s our mission».

 
mgranel_2.jpg
mgranel_15.jpg
 
#collection-550c1227e4b01f5b2b709f0e #page{ max-width:800px !important; }